Telefone: (11) 3375-0449 Whatsapp: (11) 97375-9553 contato@uniaoespiritapaulista.com.br

Adolfo Bezerra de Menezes


Nasceu em Riacho do Sangue, hoje Jaguaretama (CE), em 29 de agosto de 1831. Veio para o Rio de Janeiro em 1851, onde doutorou -se, em 1856, pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro.

Por sua incansável atividade em benefício dos necessitados de todo natureza, ficou conhecido como Dr. Bezerra de Menezes, “o médico dos pobres”.

Em 1858, desposou D. Maria Cândida de Lacerda, que desencarnou em 1863, deixando-lhe dois filhos. Em 1865, casou-se com D. Cândida Augusta Lacerda Machado, de quem teve sete filhos.

Iniciou sua trajetória política em 1860, pelo Partido Liberal, ocupando os cargos de vereador, presidente da Câmara Municipal da Corte e deputado geral. Em 1885, encerrou suas atividades políticas, tendo sempre agido em favor da justiça e da honestidade.

Conheceu o Espiritismo em 1875, ao ler a tradução de O livro dos espíritos. No ano de 1886, no salão de Conferência da Guarda Velha, diante de cerca de 2.000 pessoas, proclamou-se espírita.

Em tempos difíceis, marcados pelo divisionismo dos espíritas em “científicos” e “místicos”, Bezerra de Menezes assume a presidência da Federação Espírita Brasileira, logo instituiu o estudo sistemático de O Livro dos espíritos. Exerceu tal cargo em 1889 e de 1895 e de 1895 a 1900, quando da sua desencarnação.

Conhecido como “ Kardec brasileiro”, foi intensa e fundamental a sua atividade em prol da união, dos direitos e da liberdade dos espíritas. Conteúdo reproduzido na íntegra. Texto extraído de: PEREIRA, Yvonne do Amaral. Prefácio. In: Dramas da Obsessão. Pelo Espírito Bezerra de Menezes. 11ª ed. Brasília: FEB, 2014.

 Clique  na imagem e leia o livro na integra.

YVONNE DO AMARAL PEREIRA

Destaca-se entre os maiores médiuns e escritores espíritas. Suas obras caracterizam-se pela beleza da linguagem, pela profundidade do conteúdo e pelo interesse que geram no público.

Dona de uma mediunidade prodigiosa, ela via e ouvia os Espíritos, recebia mensagens escritas e mantinha diálogos memoráveis com eles. O escritor português Camilo Castelo Branco, o compositor polonês Frédéric Chopin e o escritor russo Léon Tolstói, eram alguns que a inspiravam nas suas obras.

Além de ter produzido obras notáveis por meio de sua mediunidade, como Memórias de um suicida e Ressureição e vida, também escreveu de sua própria autoria títulos memoráveis da literatura espírita, como Devassando o invisível.

Ativa divulgadora do Espiritismo, procurou sempre vivenciar a mensagem que predicava oferecendo consolo e esclarecimento a todos os que a procuravam, sempre de forma absolutamente gratuita, como recomendam as lições de Jesus e os postulados da Doutrina Espírita.

Atualmente suas obras são um sucesso de vendas e ocupam posições de destaque no Brasil e no Exterior.

Conteúdo reproduzido na íntegra. Texto extraído do livro:

PEREIRA, Yvonne do Amaral. Prefácio. In: Recordações da Mediunidade. Pelo Espírito Bezerra de Menezes. 12ª ed. Brasília: FEB, 2016.